Mel Hoffmann

Consultoria em Comunicação Personalizada
Back to Black, de Alexandre Müller e Marcelo Wolschick, estreia na CASACOR

Há algo no preto que o difere dos restantes. Sua simbologia ambígua foi capaz de seduzir piratas, aristocratas, artistas, invencionistas, monges e até o alto clero cristão. Foi a cor das trevas na Idade Média, assim como o tom do bom gosto e da sofisticação com Coco Chanel a partir da década de 1920. Sensível e melancólico, é também poderoso e requintado. E como as cores vivem e se redefinem, no universo décor a paleta negra agrega elegância e despojamento, ao mesmo tempo em que conversa com o obscuro, o inquieto. Com esse olhar meticuloso e ambivalente, a dupla de profissionais da Haus Engenho Interiores, Alexandre Müller e Marcelo Wolschick, traz para a Mostra CASACOR SC – Edição Florianópolis 2017, um ambiente cheio de significados, sem rótulos, simplesmente Back to Black.

Sentidos e sensações são perceptíveis nas duas áreas comuns do projeto Living Bar e Jantar, pensado propositalmente para acolher, agrupar, pequenas ou grandes reuniões. O tom eleito predomina nas paredes e nos objetos soltos, mas também abre espaço para o cinza e o branco, presentes no sofá de linho, na grande mesa de jantar, nas leves cadeiras, no tapete e também no buffet.

“A escolha da cor partiu da vontade de não segregar e estereotipar pessoas dentro de suas caixas de viver. Pelo contrário, com o preto queremos potencializar o encontro, amparado pela estética, elegância e despojamento, trazendo consigo alegria e a melancolia, para ele ou ela, sem distinção de gênero”, afirma o decorador Alexandre Müller.

Apesar do aspecto sóbrio, o Living Bar e Jantar traz uma pontual variação de cores, presentes nas peças de design e nos quadros do inquieto artista plástico Diego de los Campos. Determinante na concepção do cenário geral, a iluminação é baixa e sutil, sem explosões, contrastando com a sombra entre os materiais e os revestimentos do ambiente.

“Buscamos o inesperado, com luz focal onde há interesse na fixação do olhar, proporcionando uma atmosfera de drama, sensualidade e mistério”, finaliza o engenheiro civil Marcelo Wolschick.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.