Mel Hoffmann

Consultoria em Comunicação Personalizada
Vem ver como funciona os bastidores de um editorial de moda

Comecei a fazer editorias de moda em 2007, quando fui alçada a editora de moda da Revista Donna, de Zero Hora, em Porto Alegre. Na época, já trabalhava havia oito anos na redação, e há três na sessão de variedades. E sabe quando você se encontra e começa a fazer o realmente gosta? Foi assim que aconteceu. Comprei alguns livros para entender um pouco sobre a história da moda, as principais marcas e o que realmente está por trás de uma indústria que movimenta milhões e gera mais milhões de empregos. Ah, também foi a época do lançamento de O Diabo Veste Prada, imagina só, vi o filme umas 10 vezes.

Óbvio não que foi fácil, como nenhuma nova promoção é, mas foi desafiador. Produzíamos e publicávamos um editorial por semana, pensa que puxado. Toda a equipe, modelos, produtoras, fotógrafos, assistentes eram terceirizados. Escolhia a pauta, geralmente com uma produtora que tinha confiança e compatibilidade de trabalho, e lá íamos atrás de locação, roupas e equipe.

Quando me mudei pra Floripa, não fazia mais editoriais uma vez por semana, mas para minha sorte continuei trabalhando com moda, conhecendo as empresas locais e produzindo editorias para a própria loja e outros tantos para Revista Donna, do Diário Catarinense.

O editorial funciona como um roteiro, em que a história tem início, meio e fim, e tudo precisa estar bem afinado para, no final, termos um editorial “uau“. Isso quer dizer que tudo precisa ser bem pensado, produzido, alinhado e, se houver imprevistos, ter um plano B, principalmente quando a locação é na rua e o tempo resolve não colaborar. Leva tempo para escolher as modelos, as roupas, os acessórios, as bolsas, as referências. Dá trabalho para produzir e desproduzir os looks. Despende bastante atenção e energia, as produtoras precisam estar bem atentas no momento da foto (o cabelo não está escondendo o rosto, a pulseira está aparecendo, o vestido ficou ajustado ao corpo). Mas é gratificante no final.

Para este editorial que tem uma pegada esportiva e street fun e será publicado na Revista Donna DC ainda com data a ser definida, gostaria muito de ter a modelo Daiany Miranda, da Mega Model Sul (vi ela desfilando no See You Know, Buy Know e fiquei encantada por sua beleza e atitude). Depois, Lise Crippa e eu fomos à loja da Carmen Steffens conferir as novidades de alto inverno (tem muitas outras marcas de roupas, joias, acessórios etc, mas não posso contar ainda).

A locação foi em um lugar que sou simplesmente apaixonada pela energia, vista estonteante da Lagoa da Conceição, décor inteligente e charme, que é a Casa 48 (obrigada, Bia!).

Confira a galeria de fotos: 

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.